Imagem
A reabilitação do joelho começou apenas 3 dias após a cirurgia do menisco no inicio de dezembro. Naquele momento o movimento estava limitado a uns 30 graus. Andar, somente com as duas muletas, mas ao menos apoiando o pé no chão. E também foi logo após a cirurgia foi que conheci o meu mais novo e melhor amigo.... o sempre presente gelo! E não aquele usado pra amenizar o ardor do whisky, até porque a medicação não me permitia usar este tipo de analgésico, mas aquele feito em bolsas de gel. No inicio, pelo menos 5 ou 6 vezes ao dia, junto com seções de fisioterapia quase todos os dias. Com uma semana, diante de todo conhecimento da medicina e protocolos de fisioterapia adquiridos pela internet, resolvi largar uma muleta, para tomar o primeiro esporro da fisioterapeuta. Não dei bola. Havia um certo risco de perder o equilibrio, cair e piorar a situação, mas sabia que quanto mais rápido conseguisse andar normalmente, ganharia um tempo precioso na recuperação. E com pequenas melhoras dia a dia, foi e está sendo a recuperação. E somente após 3 semanas consegui largar de vez a outra muleta. Achei que seria mais rápido.... Mas dizem q cada organismo tem o próprio processo de cicatrizarão e que isto é normal. Francamente acho que o que faz mas diferença é a possibilidade de ter um bom cirurgião e um fisioterapeuta particular (e bom)...
Agora, após 3 meses da cirurgia e quase 50 seções de fisiotarapia, com quase 2 horas de duração por seção, começo a fazer alguns exercícios de força com o joelho e esboçar uma fuga do pelotão (de ciclistas de domingo) me aventurando a pedalar em pé. No último domingo em um treino leve de bike consegui passar da marca  dos 30km, quase um volta no quarteirão pra quem já fez 200km e foi trabalhar no dia seguinte. Entretanto ainda estou distante da total recuperação, pois o inchaço persiste e tem que ser controlado todos os dias com gelo e ultrasom. Usando a analogia do meu médico, Dr Acyr, o meu joelho está como um motor que retificou os cilindros, mas sem trocar os pistões e anéis. Para minha sorte, o corpo, ao contrário do motor, conseguirá se adaptar a nova geometria e compensar  o material que foi tirado do meu menisco que era ponto de apoio do fêmur. Basta ter um pouco mais de paciência....
Apesar da lenta reabilitação, e às vezes com algum retrocesso, estou cada vez mais confiante de estar apto para a próxima etapa de treinamentos em maio, com certeza muito mais dura que a primeira, pois agora passaremos mais dias (e noites) no mar e habitando os novos barcos, maiores, mais rápidos e mais molhados. E neste processo, algumas pessoas estão sendo fundamentais, por isso não posso deixar de agradecer e manda um forte abraço aos meus fisioterapeutas da CRJ, Dr. Sergio e  Dr. Bruno, que avaliam o meu progresso a cada dia e com grande experiência, fazem com que as melhoras sejam visíveis, dia após dia. 
Não posso esquecer também do meu personal trainer, o Rober da BPM personal training, que com muita criatividade e competência, consegue realizar um treinamento compreensivo, mesmo com a limitação do joelho e de um ombro que persiste em incomodar e limitar o meu arremesso sobre o ombro 25kg, além de me manter motivado no processo de recuperação. Valeu pessoal!






Leave a Reply.